• Facebook B&W
  • YouTube B&W
  • Vimeo B&W
Español
Español
Español
English
English
English

os Aranhas 

Anahí Borges

É a fundadora da Aranhas. Formada em Audiovisual na Universidade de São Paulo, com ênfase em produção e roteiro, especializou-se em roteiro e escrita criativa no Centro Sperimentale di Cinematografia di Roma – Scuola Nazionale di Cinema, uma das mais renomadas escolas de cinema da Europa. Foi roteirista e assistente de direção em diversos curtas-metragens, brasileiros e italianos, exibidos em festivais na América Latina, Europa, Ásia e EUA. Em 2012 participou, como roteirista, do Rèsidence do Festival de Cannes e roteirizou o longa-metragem “Portorosa”, de Pasquale Marino. Com passagens pela crítica cinematográfica,  foi correspondente da revista eletrônica Cinequanon na 65º edição do Festival de Veneza e colaborou com artigos para diversas revistas, entre as quais “Itaú Personnalité”. Ministrou cursos na Academia Internacional de Cinema de São Paulo; participou, como diretora audiovisual, do Talent Campus Buenos Aires – Berlinale 2014; fez parte do Júri do Festival Entretodos 2017. Anahí está à frente de diversos projetos da Aranhas em qualidade de idealizadora, diretora e produtora executiva. 

Andrea Paolo Massara

É filho de imigrantes italianos, passou a infância na Suíça e a adolescência na Calábria. Formado no Centro Sperimentale di Cinematografia – Scuola Nazionale di Cinema, atualmente escreve para cinema, literatura e teatro. Entre diversos filmes que escreveu, é autor de “South is Nothing”, de Fabio Mollo (Toronto Film Festival 2013 - Discovery; Berlinale 2014 - Generation, Shooting Stars Award for best actress) “The Wait”, de Piero Messina, cuja protagonista é Juliette Binoche (filme indicado ao Leão de Ouro no Festival de Veneza 2015 e em diversas outras categorias, incluindo Melhor Roteiro); “No Country for Young Men” (2017), de Giovanni Veronesi. Andrea é idealizador e diretor artístico do grande evento teatral do verão calabrês: “Avvistamenti Teatrali”, que acontece na cidade de Ricadi/Torre Marrana, trazendo ao público peças contemporâneas italianas de vanguarda. 

Chaia Dechen

Nasceu na Índia e viveu entre São Paulo, Brasília, Londres e Califórnia. É videomaker formada em Produção de Mídia Digital na University of the Arts London com especialização em direção cinematográfica na Academia Internacional de Cinema de São Paulo.  Trabalha na área das artes visuais com design gráfico, edição, direção e produção audiovisual. É comunicadora visual da Griô Produções, produtora sociocultural responsável, dentre outras atividades, pelo pioneiro “Festival da Mulher Afro Latina Americana e Caribenha”, que ocorre em Brasília, e bate, a cada ano, recorde de público. Em 2014, Chaia foi indicada ao prêmio Cláudia: a maior premiação feminina da América Latina com o objetivo de descobrir e destacar mulheres  competentes, talentosas, inovadoras e empenhadas em construir um Brasil melhor.

Drika Nery

É roteirista e dramaturga, cursou cinema na Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP e é autora formada pelo Núcleo de Dramaturgia do SESI- British Council. Integra o Centro de Dramaturgia Contemporânea – CDC, grupo paulistano de autores teatrais; já fez parte da Cia Fábrica São Paulo e do Teatro para Alguém. Também atuou como colaboradora da Moonshot Pictures fazendo parte da equipe de roteiristas da série “Sessão de Terapia”, com direção de Selton Mello, lançada em outubro de 2012 pelo canal GNT, com 2° temporada em 2013 e 3° temporada totalmente original lançada em agosto de 2014. Em 2015, lançou o livro, dentro da coleção “Palavras para Teatro”, da Editora Patuá, com as peças “Um sol cravado no céu da boca” e “Esboço para uma quase paisagem”. Esse segundo título esteve em cartaz durante os meses de abril e maio de 2015 no Teatro Cemitério de Automóveis. Drika atuou como assistente de direção da montagem que contou com a direção de Renata Jesion. “Um sol cravado no céu da boca” esteve em cartaz em 2016 no Teatro da Rotina, e contou com a direção de Leonardo Medeiros.

Elena Fedeli

É diretora de fotografia de nacionalidade italiana e possui um expressivo background em arte e arquitetura (I.U.A.V - Veneza / U.C.L. - Londres). Desenvolveu diversos projetos na área das artes plásticas e visuais no Brasil, Itália e Argentina.  Filmmaker com vinte anos de experiência, estudou cinematografia na London Filmakers Independent Coop e ocupou diversos papéis no campo do cinema e da televisão. Na sua formação profissional contou com presenças tais como Vittorio Storaro, Abbas Kiarostami, Carlo Lizzani, Fernando Solanas, Manuel de Oliveira e Peter Grenaway. Como diretora de fotografia trabalhou com diversos diretores, entre os quais G. Muskala (“Vito's Way”, 2006), P. Demarzo (“Punti di Vista”, 2005, candidato ao David de Donatello 2006), Pasquale Marino (“A felicidade não é alegre”, 2014), Victor Nascimento (“A ancora do Marujo” 2014) e Anahí Borges (“Pety Pode Tudo”, 2012, “As aventuras de Pety”, 2018 e “É tempo de amoras” (2019 – em preparação). Realiza workshops no Brasil e na Itália (cursos de gráfica tridimensional e modelação arquitetônica 3D, fotografia still, vídeo e direção de fotografia). 

Laura Carvalho

É diretora de arte e pesquisadora sobre cor. Graduada em Audiovisual pela Universidade de São Paulo e mestre em Teoria e Estética do Cinema pela mesma instituição de ensino. Trabalha com direção de arte para cinema, performance audiovisual e teatro, tendo realizado projetos internacionais como a série Death Corner (França, 2017) e o filme Paraisópolis (França, 2016), a performance Awakening (Singapura, 2015), as animações ítalo-brasileiras As aventuras de Pety (2018) e O Mundo Mágico de Pety (2014), dentre outros no Brasil. Participou de programas de Residência Artística no Japão (Paradise AIR, 2016) e no Brasil (Überbau_house, 2017), cujos projetos investigam a presença da cor na arquitetura popular contemporânea.  Sua pesquisa estabelece um paralelo entre cor, imagem em movimento e artes visuais. Apresentou os resultados de sua investigação cromática no Japão (2015), Espanha (2012) e Inglaterra (2009, 2010).

Pasquale Marino

Nasceu na cidade de Messina, Sicília. Formou-se na Universidade de Roma 3 e se especializou em direção cinematográfica no Centro Sperimentale di Cinematografia di Roma – Scuola Nazionale di Cinema. Entre 2008 e 2011 dirigiu diversos curtas-metragens entre os quais: “Le sorelle Pasetto” (Belaria Film Festival 2010), “il tuo cigno è un corvo” (Torino Film Festival 2009) e “La prova dell’uovo” (Torino Film Festival 2010). “L’estate che non viene” foi selecionado no Cinéfondation do 64th  Festival de Cannes e venceu o prêmio Onda Curta no 68th Festival de Veneza. Em 2014, realizou o longa “A felicidade não é alegre”, produzido pela Aranhas Films e Lumen Film. Foi premiado pelo programa Résidence do Festival de Cannes 2012, desenvolvendo projeto de longa-metragem intitulado “Portorosa”. Em 2013 foi contemplado pelo Edital de Desenvolvimento de Projeto de Longa-Metragem para Coprodução Brasil/Itália do BIMACT e ANCINE. Em 2016, realizou o longa documental “Imma” (Visions du Réel 2017) e atualmente está trabalhando em seu novo longa documental: “Rindo da Morte”.

Please reload

© 2014 por Aranhas Films. Desenvolvido por Underline Publicidade

Siga-nos:
  • Facebook B&W
  • YouTube B&W
  • Vimeo B&W